Foi hoje pela manhã

Solto os verbos com as rimas
Loucura sob o céu que observa
Fortes são minhas asas que vão ao vento...
Fazendo do meu mundo minha quimera.

Sem bússola e sem direção
Emoção no contato com novos povos
Povos com ritmo, sem inadequação
Que eternizam a ação do tempo.

Nas paredes descascadas das igrejas
Visíveis imagens do envelhecimento
Desmascaram as pelejas
Nas esquinas religiosas.

Joelhos ao chão em devoção
Entregam-se ao fado hipotético
Aproveito e solto meu canto poético
Afiada e desafinada oração.

Na saída não apago a luz
Entregue ao provável destino
Com estilo de esporte fino
Nos pés um belo bico fino.

Charuto cubano no boca
Fito no horizonte o disparate
Aceno para qualquer boa pessoa
Quero à toa uma guarida.

Volto do meu voo imaginário
Toquei o belo azul turquesa
Preservo com idoneidade e clareza
O que ponho no papel da minha vida.

André Anlub




Foi hoje no final da tarde

Correndo pelo campo de tulipas, braços abertos e mãos espalmadas
Uma leve garoa cai, refrescando meu quente corpo
Paro de correr, e me deliciar com a chuva, para pensar em você
Também paro de escrever, nesse escritório, para sonhar acordado com seus lábios.

Pois nada mais interessa nesse momento
Quero rimar amor com prazer...

Tento voltar ao foco da minha escrita
Seria um romance? – seria poesia?

E no desespero da causa, por mais que a mesma me machuque...
Afogo-me em citações famosas, pois sei que você iria gostar
Cito Shakespeare, Sartre, até amanhecer
Choro, como bem sabe que é de costume
Pois é a única que me entende, me ouve e me lê.

Mas retorno à mesa vazia
Com as anotações, o charuto e a bebida
E de saída, sinto como um aperto forte no peito
Uma insanidade que sussurra ao ouvido...
O lamento e o esvaecer da minha vida.

André Anlub



Foi Hoje na Madrugada

Querem saber o teu verdadeiro nome
Anseiam que digas teus mais secretos mistérios
Depois irão espalhar aos quatro cantos e ventos
Assim talvez possam beber na tua fonte.

Não que sejas pecadora ao extremo...
Que tenhas confessado teu passado e presente.
Sei que sou afetuoso e inexperiente
Pois meu coração está absolutamente enfermo.

Posso te ouvir gritando por dentro
Sentir o teu ventre ininterruptamente clamar
Queres novamente arriscar um rebento
Sei que tu sabes exatamente o que é amar.

Essa noite eu o vi em um maravilhoso sonho
Abraçado comigo, era belo e delicado
Voávamos por sobre a Ilha de Páscoa
Carregavas-me nos braços, batendo as asas.

Tinha o rosto de quando tu eras pequena
Sorriso, feição e fala serena
Vi-me abençoado e regado em satisfação
Criei esse filho em minha imaginação.

André Anlub

Nenhum comentário:

Postar um comentário